Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

sábado, 26 de setembro de 2009

De volta ao meu mundo


O dom que sempre gritou e que eu sempre tentei calar.
A única certeza que eu tinha na vida, mas por achar "infantil" demais, a deixei de lado.
A substituí sempre, criando formas, texturas, escrevendo. Mas a essência nunca muda.
Talvez, algumas atitudes, alguns olhares, mas assumir o que se quer é tão difícil.
Como fugir e ignorar o tempo todo sem parar de respirar?
Foram muitos anos até eu aceitar que o desenho não tem idade. Deus colocou tantos sinais no meu percurso, e eu tão cega, não vi.
Maurício, Schulz, Gil.
Arte por todos os lados, e eu só dançava por entre as cores, sem assumí-las ou conduzí-las.
O Grande Despertar foi em Pernambuco, totalmente fora da minha realidade, mergulhada nos sonhos que pareciam mais distantes, pensando em um presente original a alguém muito especial.
Quando eu poderia imaginar que quem ganharia o presente seria eu mesma?
As idéias são tão claras e simples. E a transformamos em um sonho lindo.
Minha sorte sempre foi estar cercada por anjos. Desta vez não foi diferente.
E hoje, o mais presente é meu grande inspirador: Gui.
Agradeço a Deus por aquelas 48 horas de busca que me levaram a você. E que de maneira indireta, trouxeram de volta a verdadeira Thais Petranski.
Tudo se completa agora, quando tenho meu próprio mundo nas mãos outra vez.
O mundo de Thata.
Tudo sempre retorna à origem.
......................................................................
Os ventos que as vezes tiram algo que amamos, são os mesmo que nos trazem algo que aprendemos a amar.. Por isso não devemos chorar pelo que nos foi tirado e sim, aprender a amar o que nos foi dado.. Pois tudo aquilo que é realmente nosso, nunca se vai para sempre.
......................................................................

terça-feira, 22 de setembro de 2009

Saia amarela

É na presença tão forte do riso maroto daquela menina tão diferente,
que de um jeito único prende o perfume naqueles lindos cachos.
E que faz dançar todo o tecido à sua volta.
Na linda maneira de cantar as palavras e de contar histórias com gosto de limão.
O calor que evaporava a última gota do banho que ainda deslizava por suas finas costas.
É aquele riso lindo da menina feliz, dona daquele feliz tudo amarelo que derrete todo inverno quando cruza o mundo com sua saia rodada.

terça-feira, 15 de setembro de 2009

A escória humana

É incrível a facilidade que algumas pessoas consideradas "normais" têm em usar a boa vontade alheia.
Sim, usar.
Quando alguém me oferece ajuda eu entendo que esta pessoa está realmente tentando ajudar. Eu acredito que não seja uma encenação. Mas o que pensar de uma pessoa que finge ser um persongem descaradamente na vida real?
Mas é muita ingenuidade (ou burrice) da minha parte acreditar em pessoas que se mostram bondosas demais.
Eu acredito que os seres humanos são ruins por natureza, e têm apenas alguns momentos de bondade. Sim, isso cabe a mim também, porém, me conheço e afirmo que tento ser melhor.
Não finjo ser alguém que não sou para obter informações ou para manipular as pessoas.
Mas os demônios passam muito pelo eu caminho. Alguns aparecem de muito longe, de além mar.
Mas não pense que eu aceito esse teatro todo de mentiras.
Você, seu teatro, suas comparsas e suas loucuras, quero todos no inferno da realidade estúpida que não conseguem encarar.
Sua interesseiras, não irão destruir a realidade de um sonho em paz que levou uma vida inteira para ser realizado.
"O medo não existe, somos nós quem o inventamos. Eu não tenho medo de nada nem ninguém" muito menos das mentiras criadas em um teatro maldito de uma mente doente como a de vocês.
Tenham vergonha na cara e a deixem em paz!!!












------------------------------



"Raça de víboras! Como podeis vós falar coisas boas, sendo maus? Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca.”- Mateus 12:34



------------------------------









'

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Desmoronar da água


Quando a tempestade vem;
Tudo se mistura com a areia.
E o castelo já não permanece inabalável;
A água passa com tanta intensidade;
Nada mais é como era há alguns minutos.
Quando tudo desmorona
Só os restos, o lixo e a destruição ficam.
Os passos largos, o desespero.
A morte ri do medo.
Não há mais apego, nem sonho, nem nada.
A realidade é o pesadelo que não quer lembrar.
Vida e morte em uma tênue linha.
Do caos surge o ideal, assim que tudo desmorona.
A linha torta, o lápis quebrado, a folha amassada.
Tinta misturada com tempestade de areia.
E as folhas são todas levadas para onde não deveriam estar;
Se perdem, se acabam, somem.
Mãos que não sabem mais, mente cansada.
As palavras não sustentam mais nada, porque quando tudo desmorona o sonho se esvaiu, assim como água.
.