Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

sexta-feira, 30 de abril de 2010

O reencontro

(o teclado mexicano eh diferente entao desculpem a falta de acentos ).

Desde terca feira eu havia perdido o apetite, estava me sentindo muito mal do estomago ( e afins...rsrsrs)e sentia um medo absurdo de fazer essa viagem. Sabia que era porque estava nervosa, mas ñ sabia o porque.


Ontem, quinta feira, liguei para Maria Cortina, amiga de Chavela, para saber qual horario nos encontraríamos para o tao esperado lancamento de ultimo cd de Chavela, chamado "Por minha culpa".
As 18:15 cheguei ao museu Indianilla e logo encontrei Maria Cortina, muito feliz em poder me receber. Pediu para que eu escrevesse meu nome completo e que logo Chavela chegaria. Havia muitos fotografos no local, pessoas ensaiando a marcacao no palco, etc. O patrocinio do evento foi feito pela Jose Cuervo (das tequilas).
Um tempo depois, Maria Cortina vem falar comigo, provavelmente pq fora avisada de que Chavela estava proxima ao local e me disse:- Thais, ñ se impressione. Ela está lucida, seu coracao esta bem, mas ela está muito fraca.
Naquele momento, todos os sintomas dos ultimos dias surgiram juntos, enjoo, dor de barriga, medo, tremedeira. Foi entao que descobri o motivo do meu nervosismo.
Minutos depois Chavela chegou com suas enfermeiras, bem arrumada como sempre, com seu poncho vermelho na cadeira de rodas, mas tinha sua cabeca amparada pela mao da amiga Cortina. Sim, ela está muito fraca mesmo.
No meio tempo entre a chegada dela e o inicio do evento, diversas pessoas vieram falar comigo, me perguntando se eu era "a brasileira". Me virei muito bem com meu espanhol, falei com alguns cantores que a acompanham, com pessoas da producao, que viram o quadro que levei para presentea-la, ate me perguntarem se eu nao queria falar com Chavela. Obvio que sim! Entrei por tras do camarim e a vi em uma grande poltrona azul. Parecia que estava dormindo. Cheguei ao seu lado e falei baixinho que eu era a louca brasileira que estava lá por causa dela e perguntei se ela se lembrava de mim. Nesse momento era se virou lentamente para mim com um sorriso aberto e comentou algo baixinho que nao pude identificar. Falei que estava muito feliz por ter voltado , lhe dei o quadro e um colar com a bandeira brasileira. Deu para notar a alegria quase silenciosa daquela grande mulher.

Fiquei bem proxima ao palco perto de um dos produtores e as homenagens comecaram em meio ao lancamento oficial do cd. Antes que eu me esqueca, Chavela, nem ninguem sabe ao certo quantos cds ela gravou. Dizem 80, talvez 100, nao se sabe ao certo, mas como ela mesma afirmou, esse cd de duetos era o mais importante de todos, pq foi feito com as musicas q ela mesmo escolheu e com os cantores que admira (Lila Downs, joaquin Sabina, Eugenia Leon, etc). Aquele era o cd DELA. Talvez seu ultimo sonho realizado.
Em um lindo discurso, Maria Cortina falou do imenso respeito que Chavela tem por seus amigos, que essa é a relacao mais linda que se pode ter com uma pessoa, que ela ja perdeu amigos, mas os que ganhou foram em numero muito maior. Ela falou da for,ca que move as pessoas ate ela vindas de todos os lugares do mundo e disse a todos que essa magia havia chegado ate uma brasileira chamada Thais Petranski que acabou encontrando um outros grande fa de Chavela na internet e que juntos foram busca la em sua casa em Tepoztlan. Eu quase morri do coracao.
Chorei tanto, mas foi tao lindo!
As paresentacoes musicais seguiram e no final todos os artistas estavam no palco para cantar a ultima musica do cd chamada "vamonos", minha segunda musica favorita, só que pouco antes Maria olhou na minha direcao e chamou ao palco a brasileira Thais Petranski. Subi nao sei como aqueles cinco degraus, e fiquei do lado direito de Chavela. Cantamos todos a cancao, muito emocionados, sabendo que aquela foi a ultima grande homenagem aquela estrela da musica mexicana.
Outra vez me senti homenageada no Mexico, outra vez tudo valeu a pena.

Fui convidada a ir a Tepoztlan amanha, e na saida do palco, tirei algumas fotos com ela (que nao posso baixar neste momento pq o cabo da maquina nao esta aqui) e disse a ela que eu ia na casa dela ver o Toby, o joaquin e a Lola, ela com um sorriso respondeu "Com mucho gusto".

Antes que todos questionem o pq de eu nao ter tirado muitas fotos daquela noite especial, digo que as melhores otos foram tiradas em novembro, as fotos iluminadas. As imagens que eu sempre terei de Chavela serao as que pude viver naquela sala de cristal em Tepoz, quando a vi lendo meu livro, quando ela pediu para que eu escrevesse a ela.
Chavela tem uma for,ca tao grande,que mesmo seu corpo nao respondendo ao seu espírito, ela consegue ser mais forte que a propria idade e obriga o corpo cansado a sorrir, a aplaudir, a agradecer. Que mulher eh essa?
Estou imensamente feliz e creio que ela tambem, por ter chegado tao longe mesmo com a vida de excessos que teve. Aos 91 anos ela eh a prova viva de for,ca e de uma energia inspiradora que quase nao se identifica em um ser humano. Os genios sao assim. E ela eh um genio nao so da musica, mas tambem da vida.

Tenho a total certeza de que Chavela está aqui hoje (na terra) para a realizacao desse ultimo sonho e sei que amanha ou depois ela irá para a "terra para onde vao os cantores e ira rever os grandes amigos que perdeu durante sua longa vida". E já comecou a comemorar esse reencontro ,ontem mesmo, depois que saiu do palco, quando tomou um golinho de tequila ouro.
Hasta el ultimo trago corazon. Hasta el ultimo trago de vida.

Thais Petranski

terça-feira, 27 de abril de 2010

Alma de artista


As pessoas falam muito em respeito, adoram conjugar o verbo respeitar, mas sem a primeira pessoa.
Tu respeitas
Ele respeita
Vós respeitais
Eles respeitam

Querem respeito sem respeitar...tudo é tão comum, não é mesmo?
Agora, como uma pessoa pode respeitar um artista, ou qualquer outro ser, que tenha comportamentos um pouco diferentes da maioria das pessoas?

Eu, Thais Petranski, para escrever, preciso de silêncio e inspiração. Para pintar, preciso de silêncio e concentração. Para desenhar, idem. Para dormir, para comer.
Eu amo o silêncio, única e exclusivamente porque posso ouvir claramente meus pensamentos e o que pede meu coração. Dessa maneira posso saber para onde posso caminhar.
Sair de um emprego que me fazia mal foi encarado como um ato rebelde até mesmo pela minha família. Mas devo tentar ser feliz, não é mesmo?
Sem incentivo, mas correndo atrás dos meus sonhos atuais. Isso é crime?
Quero escrever, desenhar e pintar, isso me faz feliz hoje, se ninguém pode concordar com isso que no mínimo respeite minha liberdade.

A alma de um artista é vista muitas vezes como algo "bem estranho", pessoas que vivem em um mundo exclusivo, sempre voltado para os insights inspiradores que têm. Por isso sempre fui muito calada quando criança. Por isso também é que preciso de momentos só meus.
As vezes uma música me inspira muito, mas tenho que executar a pintura , no caso, com a tv ligada, só para que eu não ouça mais barulho algum que possa me desconcentrar.
Acha estranho? É assim que minha mente funciona, quer você concorde ou não. E é assim que me encontro e encontro a minha paz.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

I´m free

Don't be afraid of your freedom
Freedom
I'm free to do what I want any old time
I said I'm free to do what I want any old time
I say, love me, hold me, love me, hold me
'Cause I'm free to do what I want any old time
And I'm free to be who I choose any old time
I say, love me, hold me, love me, hold me
'Cause I'm free

I say, love me, hold me, love me, hold me
'Cause I'm free to do what I want
To be what I want, any old ti-ime
And I'm free to be who I choose
To get my booze, any old time
I say, love me (love me forever)
Hold me (And love will never die)
Love me, hold me, 'cause I'm free

Do you hear what I say These are the words me hear from my grandaddy, oh these are the words me hear from my grandaddy
Who say nothing in this world like when a man who he free
Free from the ?lackamissa?
Free from the ?dee?
Free like a butterfly, free like a bee

These are the words me hear from my grandaddy
Said it's nice to be free, nice to be free
Free from the ?lackamissa?
Free from the ?dee?
Don't be afraid of your freedom

'Cause I'm free to do what I want any old time
(I'm a new creation)

sábado, 17 de abril de 2010

A imagem descoberta


Hoje, também é o aniversário do meu pai. Teve festa, família reunida e pela primeira vez na vida, vi o rosto do meu avô paterno em uma foto antiga em um porta retrato na casa da minha tia Marga.
Sempre que eu falava dele, para explicar a origem do meu sobrenome, me vinha um rosto imaginário, que eu formei com vários rostos diferentes. Mas, escolhi que ele se parecesse com o conterrâneo o Papa João Paulo II. Era assim que o imaginava. Só sabia que ele tinha olhos azuis, só isso.
Agora estou decorando os traços, as características e seu olhar.
Talvez polonês, talvez brasileiro, mas Nicolau Petranski, o meu avô.

:)
Na foto: Vó Ana, Vô Nicolau, meu pai e eu.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Para pensar...

As pessoas idiotas sempre existiram e sempre existirão. As hipócritas e inseguras também. As incomunicáveis, as preconceituosas, as inúteis, as mentirosas e também as "filhas das putas".
Algumas possuem mais de uma dessas características, outras, por sua vez, possuem todas.
Resta saber o que fazer ao encontrar com um tipo desses.
-Fuja!

É apenas um conselho!

- Fale!

Ela é capaz de te ouvir ou só te inunda de lamúrias?

-Suma!

É um período de descanso, sem dúvida.