Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

TPM e a quase morte - Utilidade Pública!

Homens, agradeçam diariamente por terem nascido homens e não sentirem na pele (nas células, na mente...) os transtornos da TPM.
Primeiramente, ela não é uma irritação apenas, por favor, entendam isso de uma vez por todas. Ela é uma explosão de ódio repentino, impensado e I-N-C-O-N-T-R-O-L-Á-V-E-L, e isso é causado pela variação das taxas de hormônio.
Pode vir das seguintes maneiras:

  1.  explosiva: quando a pobre criatura feminina fica sem papas na língua e desanda a falar tudo o que acha em poucos minutos, mesmo sabendo das consequências;
  2. dolorosa: quando há dor desde o bulbo capilar até a última pelinha da unha do pé. Sim, é uma dor generalizada, onde não há começo nem fim, nem nexo. E dor causa irritação e aí voltamos pro item 1;
  3. depressão extrema: quando o corpo, além de tudo já citado, fica inchado e a pessoa se acha gorda, e como já está com dor, passa a ver tudo de modo desproporcional, então uma barriguinha inchada vira uma pança monstruosa e no ápice do surto a pobre criatura começa a chorar copiosamente e prefere morrer a continuar pançuda e dolorida. Crises de choro são comuns nesse estágio e podem ser desencadeadas por um comercial de margarina, um vídeo fofo compartilhado no face ou qualquer outra notícia que afete intimamente a sofredora;
  4. crise de ódio: sim, crise de ódio. Não é uma raivinha à toa, é ódio mesmo. Aquela vontade de exterminar o motivo da sua irritação, de acabar com a raça do provocador mesmo que ele seja uma cebola. É, cebola, e daí? Eu explico. Estava com fome e decidi fazer uma boquinha. Abri a geladeira, peguei requeijão e o pimentão refogado pra colocar no pão (integral, com fibras, pra pança diminuir...). Passei calmamente o requeijão no pão e quando abri o pote para pegar os pimentões notei uma textura meio de molusco entre eles. Eram as malditas cebolas disfarçadas. Logo elas, as tão odiosas cebolas que fazem feder o mundo, que fazem pessoas vomitar com o bafo alheio. Fedorentas cebolas. E eu desejei arrancar uma por uma do pote, e quis pegá-las na gaveta e chutá-las muito. Quis atirá-las com toda força na parede e pisar com gosto nelas. As cebolas que estão por toda parte, me perseguindo, querendo grudar na minha garganta....AAAAAAAAAAAAAAAAA
Conseguiram entender a dimensão de uma TPM???
É algo incontrolável comandado pelos hormônios que pode levar à extinção das cebolas, ou de qualquer outro agente causador de ódio.
Por isso, lembrem-se de nunca irritar uma mulher na TPM, as consequências poderão ser desastrosas.