Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Mapa mental de uma mente com TOC


Muitas pessoas acham que TOC (transtorno obsessivo compulsivo) é só uma ou outra mania, como querer tudo limpo e alinhado, e não é. Existem inúmeras variações de comportamentos obsessivos compulsivos como contar objetos ou formas iguais, e esse contar não é de apenas uma ou duas vezes, é um contar contínuo e enlouquecedor, formando pares, ou vendo lógicas variadas. Há o comportamento brutal do nojo, e de se contaminar, seja por pegar em dinheiro ou em mãos alheias e outras infinidades de casos.
Sabe quando você acorda com uma música e ela fica o dia todo na cabeça? Então, a vida de alguém com TOC é bem parecida, só que a música fica mais de uma semana impregnada no cérebro.
Na semana passada, estava tendo uma conversa banal sobre a banda Charlie Brown Jr, algo como:
- A banda perdeu o Chorão e o Chambinho.
- Hahaha não é Chambinho era Champignon...
E isso bastou para que uma música tomasse conta dos meus neurônio. Não, não é nenhuma música deles é uma do Negritude Junior..." Tô chegando na COHAB pra curtir minha galera, dar um abraço nos amigos e um beijinho em minha Cinderela....

Nada a ver?
Em determinada parte da música há a miserável frase que está martelando ainda:
"E avisa o Chambourcy que tem Danone à vontade"

Chambourcy, Chambinho e era Champignon, e a desgraça toda está feita na cabeça.
Parece engraçado ou até bobo contando, mas passar uma semana com a voz do Netinho de Paula na cabeça (e ainda reforçando com sua imagem no horário eleitoral) é enlouquecedor.
O TOC é incontrolável e imprevisível e conviver com ele é um desafio bem desgastante.

PS: um detalhe importante: não suporto o Netinho de Paula!!!!