Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

terça-feira, 28 de maio de 2013

Vida Wendy

Wendy Clementina de Jesus
28/08/1998 - 28/05/2013


Me lembro daquele início de outubro de 1998 quando a peguei na gaiolinha do pet shop, pequenininha, mais preta do que amarela. Bonitinha aquela gatinha de nariz vermelho. Chegamos em casa e dei ração e ao me aproximar ela se mostrava bem nervosa me "ameaçando" com sua gigantesca pata de 2 cm. Personalidade marcante desde bebezinha. Gostava de bizarrices, como dormir no bidê e usar a pia, aliás, viveu muito tempo nos banheiros durante sua juventude. Foi doidinha, briguenta, teve dois filhotes no primeiro dia de 2000, fugiu por três meses de casa até voltar misteriosamente da mesma maneira que saiu. Corria pelos corredores de madrugada, e com coices abria a porta do quarto.Entrou no cio mensalmente mesmo sendo castrada por longos anos, época em que era magrinha,mas quando atingiu a melhor idade felina ficou gorda e um pouco flácida, mais ou menos no mesmo período em que começou a apresentar problemas de saúde. Ficou mais calma, mas nunca perdeu a vontade de explorar novos horizontes e topos de guarda roupas. Escolheu a cama da Tânia por anos e se mudou pra minha há alguns meses. Nos últimos 3 anos passou por várias visitas, exames e controles do veterinário. Mas a cirurgia com biópsia, que seria a única certeza da presença do linfoma, não foi feita por ser invasiva e arriscada devido a sua idade.
Cuidamos com muito amor e carinho da nossa velhota, que começou a perder a qualidade de vida no último sábado. Muito fraca, desidratada, começou a se cansar muito, não tendo mais forças nas finas pernas.
 Hoje perdemos nossa bebê Wendy.
 Esteve conosco por 14 anos e exatos 9 meses e continuará em nossas vidas para sempre.
Obrigada bebê Wendy pela companhia, pela diversão e amor, por todos os olhares dos esprimidos olhinhos amarelos, pelo apreço ao som estridente da gaita e assobios, pelos iogurtes de morango divididos e por nos escolher como donas.
Sempre amarei muito a minha Vida Wendy =^.^=.

Nenhum comentário:

Postar um comentário