Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

segunda-feira, 29 de abril de 2013

A morte não santifica ninguém



   Diversos seres em um. Estados de vida que se alternam diversas vezes ao dia. Assim somos nós.
   Lutamos por nossos ideais, ou pelo que achamos correto e assim seguimos a vida fazendo o que acreditamos. Ora felizes, ora irritados. Estados que nos dominam tantas vezes, só melhoramos se nos conscientizamos de que tudo que nos ocorre têm um porquê, tudo pode ser uma grande oportunidade para transformarmos um comportamento ruim que insistimos em ter. Assim crescemos.
   Todos deixam uma lição, e muitas pessoas se destacam entre os amigos, que são os irmãos que não tiveram e acabam forjando sua grande obra entre eles. A morte não santifica ninguém, mas oferece aprendizado a quem fica. É isso que precisamos entender.
   Alguém que não nos inspira pode ter sido muito importante para alguém, ou para um grupo imenso de pessoas. Todos têm uma missão por aqui, porém, nem sempre o convívio familiar é o local onde executaremos essa missão.
   A religião une pessoas que temos que conhecer, e se a crença de um não é igual à do outro, essa também é uma oportunidade para aprendermos a lição mais importante da vida: respeito à vida.
   Lembremos-nos disso na próxima vez que começarmos a pensar que o que o outro fez em vida foi falso, hipócrita ou errado.
   Ninguém é totalmente errado a ponto de não deixar nenhuma lição de vida.
   Todos nós temos a capacidade de inspirar grupos, por menores que sejam. Sempre podemos levar a felicidade a alguém que já não têm esperança e fazê-la multiplicar. Esse é um dos estados de vida que todos temos: o Estado de Buda.
   Desperte a alegria e felicidade absoluta perdida em seu coração e recomece a cada dia.
   Refletir sobre o que fazemos, pensamos e falamos determinará o legado que deixaremos.
   Você também não acerta o tempo todo, não cobre isso do outro, menos ainda se a pessoa em questão já morreu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário