Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Triste mundo perdido



Hoje um sentimento muito ruim fez parte de quase todo o meu dia. Não era nada pessoal, como algum sonho de consumo, ou alguma compra de final de ano. Hoje, pensei muito e concluí que grande parte do povo brasileiro gosta de ser fútil. Não apenas isso, batemos no peito com orgulho por sermos assim.

Tudo começou quando soube que minha prima havia visto, no cinema, um filme sobre Ayrton Senna, e que havia voltado muito emocionada. Buscando informações para assistir o filme também, o sentimento de "vazio nacional" tomou conta de mim.
Explico o por quê.
Busquei na internet as salas de cinema que exibiam o filme, e, para minha surpresa, na capital de São Paulo, encontrei apenas 1 horário em apenas 1 sala de cinema (aqui começou minha indignação).
O documentário "Senna", dirigido pelo inglês Asif Kapadia, foi lançado 16 anos após a morte do maior piloto brasileiro. E segundo a matéria que encontrei, o fez com maestria.

Ayrton Senna foi o maior ídolo de uma geração que acordava mais cedo aos domingos para ver o show de um grande piloto. Todos o admiravam. Não só sua genialidade nas pistas, como também seu lado solidário. Qualquer pessoa conseguia notar algo muito especial em Senna, uma luz, uma inspiração.
Até hoje, quando vejo a gravação dos últimos momentos de Senna, antes da sua última corrida em 01/05/1994, consigo perceber o sofrimento daquele homem que sabia que ia morrer naquele lugar, e que não poderia evitar. Não, ele não foi um mártir. Foi um grande piloto que passou por aqui, para servir de exemplo para todos nós. Um grande homem.
Quantos brasileiros até hoje vibram quando vêm suas vitórias e se emocionam quando lembrar de maio de 94??? Fui ao seu velório, assim como milhares de fãs que passaram horas para conseguir estar por poucos segundos próximos a ele. Ao seu corpo.

Sabe o que acho triste?

Saber que milhares de pessoas pensam e sentem o mesmo que eu, e que em 16 anos nenhum brasileiro teve a capacidade de prestar uma homenagem a ele. Pior que isso. Enquanto ele estava vivo alguém fez?

Mais triste, (para não dizer vergonhoso) é saber que o povo brasileiro, produz e "consome" livros e filmes de traficantes e prostitutas que ficaram famosos por suas habilidades. Mas que em nenhum momento pensa/quer mostrar grandes personalidades deste país.
Talvez, esse seja um problema da América Latina, mas como brasileira, só posso falar do meu país. Aqui somos patriotas a cada anos motivados pela Copa do Mundo, nada mas.
Eu tenho vergonha do que acontece no meu país. Esportistas e personalidades influentes se envolvem em escândalos, até mesmo em crimes, e ainda assim servem de "exemplo" para as crianças.
Ainda bem que vivi a década de 80 e que pude ver tantas vitórias de Senna!

Hoje, o mundo está perdido, e o Brasil está à caminho da merda total. É isso o que acontece quando não se investe em educação. Não valorizamos nem nossos heróis!
EDUCAÇÃO! É o que salvaria este país.

Mas também nos orgulhamos por não sabermos votar.
O governo não tem culpa não. Nós eleitores, somos os responsáveis por acabar dia após dia com esta nação. Porque não temos interesse e vontade para mudar alguma coisa.
Queremos continuar sendo passivos e sem educação?

Sim. Hoje eu fiquei triste porque, assim como tantos outros brasileiros, também não fiz nada por Ayrton Senna.
E fico pensando em quantos outros gênios e heróis existem neste país e nem nos importamos.
Até quando?

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Meu primeiro livro lançado: Catarina e as baratinhas


Meu primeiro livro infantil, foi lançado no dia 15/10/2010, na Livraria da Vila, pela Edicon.
Sem dúvida, foi um grande passo que dei em minha vida, depois de assumir que os livros infantis me encantam e me inspiram (muito!).
Vocês podem dizer: - Mas você nem me contou que escrevia!!!

Pois é, não escrevia. As palavras vieram até mim e decidi publicá-las. Encontrei a Valentina que apostou na minha história, ela me apresentou à Soraia, que deu vida às ilustrações e aqui ele está. Lindo!


"Catarina e as baratinhas" foi criado a partir de uma história real de uma menina que queria castigar uma baratinha por esta ter invadido sua casa.
Essa história traz a proposta de transformar a visão da relação inseto-criança incentivando o respeito entre as espécies. Afinal, o medo que geralmente surge ao nos depararmos com uma baratinha, muitas vezes vem de um susto que ela nos deu, mesmo sem querer. Somos amigos dos nossos cães, dos nossos gatos e passarinhos. Por que não podemos ter uma relação mais amigável com os insetos?
Conhecer e respeitar todo tipo de vida é muito divertido também!"

Estou orgulhosa por ter seguido mais este chamado do meu coração. E mais ainda, por ter realizado mais este grande sonho. Que minha determinação possa inspirá-los também!

Quem tiver interesse, entre em contato pelo e-mail: thais.petranski@gmail.com, ou deixe um post aqui no blog.

Quero publicar meus livros no México! E preciso de ajuda!


Faz tempo que não passo por aqui. Ando sem concentração e isso dificulta a inspiração e consequentemente a escrita. Esse é o preço que pago para obter a paz que a fluoxetina me oferece. Mas não posso reclamar.

Muita coisa aconteceu nestes últimos meses.
Terminei de escrever 5 livros. O que fiz para Chavela Vargas, foi traduzido para o espanhol pelo meu professor José Rius. Escrevi três histórias infantis (uma delas é a versão infantil do livro da Chavela Vargas)e outro com poemas para crianças. Dois deles eu ilustrei. Um outro (Catarina e as baratinhas) foi ilustrado por uma profissional e foi lançado no mês passado pela Edicon.

Voltei ao México para entregar nas mãos dela o livro pronto, e me surpreendi com sua melhora. Chavela está ótima, graças a Deus!
A presenteei com meu livro lançado e também com a magnífica versão infantil ilustrada, que Chavela começou a ler na minha frente. Parou de ler por estar emocionada, mas disse que o leria depois. Foi um momento lindo!

Estou decidida a publicar os livros no México. Motivos não faltam. Além de todas as palavras que escrevi para homenagear Chavela, minha admiração é tamanha, que se estendeu a uma cidade, a um país inteiro. Quero inspirar as pessoas a lutarem pelo que acreditam.
Tudo que estava ao meu alcance foi feito. Tudo! Mas, para que mais este sonho se realize, preciso de ajuda. Preciso de pessoas que tenham contato com editoras no México e que queiram publicar essa minha homenagem à lenda viva Chavela Vargas.

Prometo que aos poucos vou atualizando este blog com um pouco mais da magia mexicana.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Meus dias pós México...


O sono me domina e ja nao pertenço a mim. Ela insiste e eu perco a hora. Minha cama me ama.
Pessoas felizes cantam. O sol diz q precisa de mim. E ela a me esperar. Silenciosa e cálida. Cama: já quero voltar. :)

terça-feira, 26 de outubro de 2010

¿? - ¡ JODER! - a missão

Definitivamente: existem coisas que só algumas doses de tequila e um cigarro resolvem. Que dia esquizofrênico!
Sem tesão pra viajar (isso é grave), sem paciência de estar no metrô e tentando não surtar.
Esta cidade está impraticável. Invivível. E impossível!
Estou bêbada de tequila, fumei uma porcaria de cigarro e agora tudo está um pouco melhor.
Quer ir ao México comigo? Seria tãaaaaao divertido....já não quero ir sozinha!

Quero outro destino! Outra cidade!
Socorro! Preciso viver! Ou não!!!

¿?


O sonho concluído e a falta de força para sonhar outra vez. É estranho como o vazio surge em meio à realização.
Cansaço? Tédio? Depressão?
Já não tenho vontade de ir, é verdade. Só sei que tenho que terminar o que comecei. Tenho que entregar o livro, nada mais.
Talvez o México seja exclusivamente dos mexicanos, e estou sem ânimo para sair da minha cama.
Vou. Mas algo me diz que é a última vez.
Que seja então uma despedida. De toda arte, de toda música, de toda magia.
Não se vive apenas de ilusão, nem é saudável estar dividida entre dois mundos.
Quero estar inteira. De corpo e alma em um lugar apenas. Quero me acostumar com a nova Thais, que está abrindo mão da coragem para se tornar apenas mais uma pessoa "normal".
Existem outras possibilidades. Outros continentes. Outras cidades.

O México é o mesmo. Eu não sou.
O que quero agora?
.
.
.
Muito mais.
.
.
.
Estar no meu lugar. Porque deve haver um lugar só meu.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Interrogações e verbos


Amar, buscar, mudar. Verbos que podem devorar a consciência humana. Agir, para acalmar a aflição.
Arriscar tudo por um sentimento maior, por uma vida melhor.
Depois do sonho o que vem?
Realizar é sensacional, mas e depois? Só lembrança dos bons momentos sonhados. Por que a realidade pode parecer tão cruel?
De um mundo distante vem percorrer o centro do universo em largas passadas.
Pressa por quê?
As janelas condenam a alma machucada. Ilusão, determinação, merecimento.
Olhos vivos, pele clara.
A coragem que a maioria não tem.
Seus motivos, os motivos de outrem. Ser , estar, voltar.
Pensar, esperar. Acreditar que é possível viver em paz e com dignidade.
Pele viva, olhos claros.
Tudo vai passar.


"A verdade é que não há verdade" (Pablo Neruda)

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Um vídeo extraordinário!!!

Um video que mostra o recanto de Chavela Vargas, Lola sua cachorrinha, suas fotos e presentes.
Guillermo, meu companheiro na aventura em busca de Chavela Vargas, enviou este vídeo para mim.
Aqui estão alguns presentes que demos a ela: o xolo de pedra que fica no chão da sala, a pequena chavelinha feita com filtro de café (que está ao lado do seu Grammy), e o quadro que lhe dei no dia do lançamento de cd ¡Por mi culpa!, em abril.
Quase morri do coração!
Estou imensamente feliz!

Segue o link: http://vimeo.com/16385086

sábado, 2 de outubro de 2010

Um dia especial


O dia preguiçoso se transformou completamente quando fomos surpreendidos pelo filme que substituiria a aula do dia: Elsa & Fred. Sabia que era lindo, mas não lembrava que era tão especial. Mais real do que nunca, ele passa de uma maneira encantadora que algumas pessoas são muito especiais mesmo sendo um tanto diferente dos "padrões" que as pessoas esperam que tenham.
Mudanças podem ser maravilhosas quando estamos abertos para o novo. Essa é a essência do filme.
Pensei nesse filme o dia todo.

Hoje também é um dia especial porque a Turma do Snoopy completa 60 anos. Há 10 sou perdidamente apaixonada por Snoopy e seu criador, Charlie Monroe Schulz que deve estar muito feliz vendo todas as comemorações pelo aniversário de sua obra (esteja ele onde estiver).
Tirei várias fotos com Snoopy e Charlie Brown, cantei parabéns e comi bolo, na Saraiva. Era apenas mais uma criança entre todas as outras.
Que bom!

:)

domingo, 19 de setembro de 2010

terça-feira, 31 de agosto de 2010

News

Que loucura! Quando tempo sem escrever aqui!
Estava finalizando meus projetos literários e agora busco uma editora para publicar meu(s) livro(s) no México.
Pra falar a verdade, eu gostaria mesmo é de lançá-los na Feira Internacional do livro de Guadalajara!
Dá tempo sim!
Sigo com minhas artes e meus planos infalíveis..rsrsrs

terça-feira, 6 de julho de 2010

Frida Kahlo


Hoje seria aniversário de uma das grandes mulheres que passaram pela terra e que deixaram o mundo mais intenso e colorido graças à sua arte. Frida Kahlo, a pintora mexicana que continua inspirando pessoas em todas as partes do mundo.
A conheci depois de ver o documentário sobre a vida de Chavela Vargas: a voz que me levou ao México.
Chavela não esconde que Frida foi seu grande amor. E é impossível não pensar em amor quando penso em Frida. Seu amor à Diego, à Coyoacán, à Casa Azul, às artes, à vida.
A mulher que com todas as dificuldades físicas que a vida lhe impôs, conseguiu transformar a dor em arte, esplendidamente.
Viva Frida Kahlo!


(faça um tour virtual pela magnífica Casa Azul http://tinyurl.com/2966z6l )

domingo, 4 de julho de 2010

Terminei!!!

Acabo de escrever meu livro. Que momento importante da minha vida!!!
O projeto mais esperado. Um livro que trouxe outros 4. Inspiração total.
Agora só falta terminar a revisão, a capa e mais alguns detalhes.

sexta-feira, 25 de junho de 2010

Que diferença "isso" faz em sua vida???


Eu batalho pelo que quero, sonho e realizo (para caralho), digo o que deve ser dito e outras vezes calo. Não tenho tudo que quero, mas faço muito para cnseguir. Algumas pessoas dizem que sou linda, outras invejam minha "magreza". Existem as que dizem que eu sou foda (no bom sentido da palavra), outras que se inspiram nas coisas que faço.
Posso ser tudo isso, muito mais, muito menos também. Mas o fato é: sendo admirada ou não, eu sonho e realizo tudo SEMPRE SOZINHA.
As mesmas pessoas que se inspiram, são as que não me fazem companhia. As mesmas que me acham sensacional, são as que não olham nos meus olhos. As mesmas que me chamam de "querida" são as mesmas que não dão atenção quando estou com algum problema.
Muitas vezes eu estou reclusa do mundo, mas se um amigo precisa, eu me faço presente.
Falar é fácil, mentir muito mais fácil ainda.
Descubro então, que é legal ter alguém para olhar e dizer: "Puta merda, essa pessoa faz coisas muito legais", é bom porque constatamos que elas existem sim! Pessoas que realizam o que não temos a coragem para sonhar sequer.
Tempo e distância são questões de prioridade. Nós escolhemos ter tempo para alguém ou não, e também decidimos se ela está longe ou perto.
Acho que vou morrer não conseguindo entender o tamanho da falsidade que um ser humano pode ter. Mesmo que eu viva mais 100 anos.
Podemos escolher muita coisa na vida.
Eu escolhi ser corajosa.
Escolhi ser sincera.
Escolhi realizar.
Escolhi provar que não existe o impossível.
Pena que nesse meu universo particular só exista eu mesma com minhas convicções.
Sozinha, sonhando.
Chega uma hora em que o saco enche, e é justamente nesse momento em que as pessoas surtam. Ou desistem de uma vez de sonhar.
Eu acho muito chato saber que a espécie humana é covarde, falsa, hipócrita e traidora.
Não sou melhor do que ninguém, mas sei honrar meus princípios e sentimentos.
Mudo de idéia, canso das coisas, sou chata, assim como qualquer pessoa, mas em primeiro lugar sou leal a mim mesma. E tento até onde acredito ser possível realizar.
Eu queria tanto ser igual a todo mundo. Adoraria viver na hipocrisia coletiva. Ao menos não sofreria tanto.
Não tente me fazer sentir especial com palavras apenas. Eu quero e posso muito mais.

sábado, 12 de junho de 2010

My Sacrifice


Hello my friend, we meet again
It's been awhile, where should we begin?
Feels like forever
Within my heart are memories
Of perfect love that you gave to me
Oh, I remember

When you are with me, I'm free
I'm careless, I believe
Above all the others we'll fly
This brings tears to my eyes
My sacrifice

We've seen our share of ups and downs
Oh how quickly life can turn around
In an instant
It feels so good to reunite
Within yourself and within your mind
Let's find peace there

When you are with me, I'm free
I'm careless, I believe
Above all the others we'll fly
This brings tears to my eyes
My sacrifice

I just want to say hello again

(Creed)

quinta-feira, 10 de junho de 2010

12 de junho - Feliz Dia dos Namorados!


Há quem diga que é só mais uma data comercial, que o capitalismo criou, mas o Dia dos Namorados é sim um dia muito especial. É o dia para celebrar a companhia do ser amado, para beijar de uma maneira mais carinhosa, para abraçar mais apertado. E como toda data especial, ela pode ser bem triste para quem não tem o ser amado por perto.
É só um dia, mas é um dia inteiro. Vinte e quatro horas para celebrar.
No próximo sábado, dia 12, esteja com seu amor por inteiro, esteja onde estiver.

Cinco coisas

Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser… sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

(Pablo Neruda)

sábado, 5 de junho de 2010

O jardim


Sábado a noite, muito frio, ouvindo Steve Vai e esperando que tudo tome um rumo certo. Um caminho verdadeiro, com pessoas reais. Mesmo sentindo que minha vida tem uma ordem diferente. Espero. Más notícias chegam, outras se calam.
O inverno é assim, quase vazio. Sorte que quem está no verão, vivendo dias calorosos, às vezes sufocantes. Plantei minhas sementes de Cempazutchil hoje para que me tragam em alguns meses "El día de los muertos", ao menos uma lembrança dele. Regando aos poucos a semente que brotará. A flor que vem. A flor que vai.
Visitar o sol como a pouco visitei. As folhas hoje caem aqui. O inverno da erva daninha é muitas vezes o verão do jardim das rosas. Tudo tem seu exato lugar na terra, sobrevive o que tiver melhores condições de vida, o que for regado com amor. É por isso que a erva daninha tem vida curta, porque nunca é querida. Algumas pessoas ficam com pena de arrancá-la de uma vez da terra, mas querem saber de um segredo? O melhor meio de lutar contra as ervas daninhas é privá-las de luz solar e de espaço.
Nada como um inverno sem sol...
Eu nunca entendi o porquê de algumas espécies serem amadas e outras odiadas. A vida não deveria ser de igual importância? Ah! Talvez seja o direito adquirido do espaço de quem antes chegou. Olhando desse ponto de vista, tudo parece ter um pouco mais de sentido.
Que cada um cultive seu próprio jardim, florido ou não, mas só seu.

quarta-feira, 2 de junho de 2010



(Imagem: Cão ao luar, 1972 Rufino Tamayo (México 1899-1991)-Litografia: The Mexican Master Suites)

Ainda existem pessoas que acreditam em palavras repetidas à exaustão, em palavras que refletem o que a imaginação não proibe, que sempre são engolidas pela realidade da vida real.
Piores são os que também acreditam na perfeição do futuro, enquanto constróem palácios totalmente diferentes do projeto falado, esses sim vivem em um mundo à parte do que permite a compreensão humana.
Lamentavelmente, ainda existem os que são fiéis aos seus sentimentos e ambições. São invejados por muitos, taxados de loucos por outros que não têm a mesma coragem. E passam seus dias esperando o tempo de alegria voltar, plantam sementes que vão colher (sozinhos) no futuro. No mesmo futuro que planejaram com os arquitetos da fala.
Eles sofrem porque sabem que se manterão determinados e leais ao que acreditam cegamente, e também por saberem que as outras pessoas não pensam na distância imensa entre o hoje e o futuro próximo.
Sempre sozinhos com suas crenças, realizando seus sonhos e tentando acreditar que tudo é verdade.

domingo, 23 de maio de 2010

Treinta y uno


Tan
Tudo
Tecnologiá
Tarde
Tacto
Toda
Teminación
Ternura
Telepatía
Tela
Ti
Temblor
Taquicardia
Tinkerbell
Tocar
Terrible
Tono
Telecomunicación
Temprano
Tender
Título
Timbre
Tentar
Toque
Transcendencia
Tomar
Tornar
Traer
Trámite
Tranquilo
Teoría
Tesoro
Tampoco
Teléfono
Tortillas
También
Tácito
Tardas
Táxi
Tarea
Tepito
Tarjeta
Ticoman
Thais
Tablado
Tepoztlán
Tablóide
Templo
Temporal
Tabular
Taza
Taquilla
Temer
Temperamento
Tempestad
Tatuaje
Tequila
Triste
Turista
Tu
Tuyo
Te extraño
Tanto

E aí?


Depois de alguns momentos de alegria, a realidade sempre volta para assombrar.O dinheiro de sempre, as coisas de sempre, o estresse de sempre.
Eu quero muito mais.
Quero poder caminhar com minhas próprias pernas quero minha liberdade silenciosa. Minha casa, minhas coisas. Coisas reais, possíveis.
O intangível é pouco para mim, não paga minha contas, não me satisfaz.
Sempre correndo contra a realidade que sonham para mim, quero a minha própria vida. Com minhas conquistas, com um mínimo de reconhecimento.
Lutar pelo que quero é o que faço há tempos, quero só descobrir o por quê? Para que?
Quero conquistar, e não mais lutar. Já estou quebrada demais para isso e um dia todos nós cansamos. E eu cansei.

domingo, 16 de maio de 2010

O melhor show da minha vida: Luis Caldas na Virada Cultural

O frio dos últimos dias quase me deixou sem ânimo para sair a noite, mas ontem (sábado dia 15/05)era o dia da tão esperada Virada Cultural. E além de ser especial porque ocorre apenas una vez ao ano, haveria o show do meu queridíssimo cantor Luis Caldas.
Eu falo tanto dele, das músicas, do dvd que tenho, que as pessoas acham graça porque nunca estive na Bahia, nunca fui a um show e também, porque não conhecem alguém que goste tanto de suas canções.

"Pedi um beijo a ela e ela me deu um tapa...que que éssa nêga quer?"

Decidi que não perderia a oportunidade de ver o show de Luis Caldas aqui em São Paulo, no palco Vieira de Carvalho. Mesmo que tivesse início às 03:00 da manhã...
Pensei em um roteiro para me manter acordada até esse horário no centro e foi mais simples que imaginei vi o show de Sydnei Magal no mesmo palco à 01:0, em uma divertidíssima e nostálgica apresentação.
Assim que o show acabou fui me aproximando devagar do palco para poder ver o Rei do Axé mais de perto. Fui caminhando, caminhando e cheguei facilmente até a grade de proteção, bem em frente ao palco e esperei.
A show foi uma loucura animadíssima do começo ao fim e eu aproveitei muito! Cantei, pulei, dancei, gritei.
Em determinado momento decidi que faria um coraçãozinho com as mãos para que ele visse do palco (afinal, a nossa distância era algo inferior a 5 metros).Ele não olhava.Fiz outra vez e nada.
Lá pela quinta vez ele viu o coração! E sua reação poderia ser apenas uma piscadinha, mas ele retribuiu o gesto e colocou a mão no seu peito, e mandou de volta o beijo que com um gesto lhe joguei!
Ah.......eu ganhei a noite!
Fiquei imensamente feliz com esse gesto e digo, mesmo que ele não tivesse visto o coração, aquele foi o melhor show da minha vida!
O show em que mais me diverti.
Obrigada Rei Luis Caldas!!!

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Que realidade perfeita!


-Sim, eu estava lá.

É isso que tenho que repetir para mim mesma sempre que vejo nossas fotos.
Essa linda foto de Carol Petersen diz tudo isso para mim outra vez e é a prova de que foi verdade!

Chavela Vargas, quantas loucuras mais farei por ti?

segunda-feira, 10 de maio de 2010

O segredo de tudo, o que realmente importa.


É impressionante tudo que está acontecendo e tudo que aconteceu nesta última semana.
Estive cercada de pessoas especialíssimas que me trataram com muito carinho, que me fizeram feliz em diversos momentos. Nomes e companhias importantes como Chavela Vargas, Maria Cortína, Patsy, La Negra Chagra, Mario Ávila, Carol Petersen e tantas outra almas iluminadas que cruzaram meu caminho pelo México.
A companhia de meu queridíssimo amigo César, que tanto me ajudou (e que me assegurou que eu não morreria se comesse os tais esquites com limão), foi de vital importância para que tudo corresse perfeitamente bem durante essa estadia (decidida um dia antes do lançamento oficial do cd Por mi culpa! de Chavela Vargas)repentina no México.
Pode parecer à primeira vista a declaração de uma fã apenas, mas Chavela não é apenas a cantora que admiro. Ontem, refletindo muito depois de uma conversa esclarecedora com meu padrasto, quando me questionou sobre a mudança que ocorreu em minha vida assim que Chavela "saltou" aos meus olhos, descobri que ela trouxe vida, paz e arte à minha vida. Era isso que faltava. Vida.
E o grande estalo veio no momento em que ouvi sua voz pela primeira vez.
A arte a trouxe até mim e fui obrigada a buscá-la no México, para que ela soubesse que havia me transformado através de seu dom.
Arte. O que eu sempre soube.
Paz. O que eu mais sonhava e pedia.
Vida. O que eu precisava.
Encontrei tudo isso no México, através desse louco amor por essa sensacional mulher chamada Chavela Vargas.
Hoje e durante todos os dias de minha vida, tenho que agradecê-la por isso.
Descobri a magia de estar viva na voz dessa mulher.

Cheguei do México sexta feira, e na mala de mão eu trazia o jornal com as fotos do lançamento do cd, os cds, o livro e tudo que eu havia comprado durante a viagem. Não era muita coisa, mas eram as coisas mais importantes que eu trazia. Essa mala foi esquecida no táxi que me trouxe para casa. Eu perdi tudo que trazia de lembrança.
Foi quando eu comecei a pensar desesperadamente naquele taxista, comecei a chamá-lo mentalmente, para que voltasse e trouxesse meu tesouro. Chorei, não comi e só pensava nele.
No sábado, 22 horas depois de ter perdido a mala, o taxista bate a minha porta. Vamos até o carro e abro a mala. Tiro o jornal e lhe digo:
- A coisa mais importante desta mala é esse jornal. Eu fui atrás desta mulher no México, e aqui está minha foto com ela.

O que este senhor fez não tem preço, e sei que conheci outra pessoas muito especial por intermédio da mesma pessoa que alegra tanto minha vida com suas canções.

Linda Chavela, saiba que Deus te colocou na minha vida para que eu compreendesse muitas coisas. E não poderia ser um anjo loiro de olhos azuis que me faria entender. Tinha que ser algo muito forte, muito intenso e quase trágico.
Tinha que ser você.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

México, Coyoacán e Tepoztlán

México, DF, 05/05/2010

Se existe o paraíso na terra, afirmo,sem sombra de dúvida, que ele fica no México. Coyoacan emite paz em seus menores detalhes. Nos seus esquites (medianos por 18 pesos)ou na agua de guanábana, tudo ali é paz. A vida é vivida naquela praca mágica.
Tepoztlán é o lugar onde meu maior sonho foi realizado. Onde encontrei Chavela Vargas, onde estive com pessoas especialíssimas e iluminadas. Maria Cortína, Patsy, La Negra Chagra, Mário, Elizabeth, Carol Petersen e tantas outras almas que vivem na magia que a arte proporciona.
México. O país, o mundo, o universo.
O infinito materializado com cheiro de Copal, com gosto de chilaquiles e com a textura das linhas de bordado coloridos.
A experiencia mais intensa da minha vida e que tive a felicidade de viver por tres vezes. Tudo por "culpa" de Chavela Vargas. Ela sabe muito bem disso, que é a responsável por me apresentar esse amor absurdo por este país tao lindo e rico em detalhes surpreendentes.
Aqui eu sou feliz.
Aqui eu tenho paz.
Gracias Chavela Vargas.
Gracias, muchisimas gracias.

sexta-feira, 30 de abril de 2010

O reencontro

(o teclado mexicano eh diferente entao desculpem a falta de acentos ).

Desde terca feira eu havia perdido o apetite, estava me sentindo muito mal do estomago ( e afins...rsrsrs)e sentia um medo absurdo de fazer essa viagem. Sabia que era porque estava nervosa, mas ñ sabia o porque.


Ontem, quinta feira, liguei para Maria Cortina, amiga de Chavela, para saber qual horario nos encontraríamos para o tao esperado lancamento de ultimo cd de Chavela, chamado "Por minha culpa".
As 18:15 cheguei ao museu Indianilla e logo encontrei Maria Cortina, muito feliz em poder me receber. Pediu para que eu escrevesse meu nome completo e que logo Chavela chegaria. Havia muitos fotografos no local, pessoas ensaiando a marcacao no palco, etc. O patrocinio do evento foi feito pela Jose Cuervo (das tequilas).
Um tempo depois, Maria Cortina vem falar comigo, provavelmente pq fora avisada de que Chavela estava proxima ao local e me disse:- Thais, ñ se impressione. Ela está lucida, seu coracao esta bem, mas ela está muito fraca.
Naquele momento, todos os sintomas dos ultimos dias surgiram juntos, enjoo, dor de barriga, medo, tremedeira. Foi entao que descobri o motivo do meu nervosismo.
Minutos depois Chavela chegou com suas enfermeiras, bem arrumada como sempre, com seu poncho vermelho na cadeira de rodas, mas tinha sua cabeca amparada pela mao da amiga Cortina. Sim, ela está muito fraca mesmo.
No meio tempo entre a chegada dela e o inicio do evento, diversas pessoas vieram falar comigo, me perguntando se eu era "a brasileira". Me virei muito bem com meu espanhol, falei com alguns cantores que a acompanham, com pessoas da producao, que viram o quadro que levei para presentea-la, ate me perguntarem se eu nao queria falar com Chavela. Obvio que sim! Entrei por tras do camarim e a vi em uma grande poltrona azul. Parecia que estava dormindo. Cheguei ao seu lado e falei baixinho que eu era a louca brasileira que estava lá por causa dela e perguntei se ela se lembrava de mim. Nesse momento era se virou lentamente para mim com um sorriso aberto e comentou algo baixinho que nao pude identificar. Falei que estava muito feliz por ter voltado , lhe dei o quadro e um colar com a bandeira brasileira. Deu para notar a alegria quase silenciosa daquela grande mulher.

Fiquei bem proxima ao palco perto de um dos produtores e as homenagens comecaram em meio ao lancamento oficial do cd. Antes que eu me esqueca, Chavela, nem ninguem sabe ao certo quantos cds ela gravou. Dizem 80, talvez 100, nao se sabe ao certo, mas como ela mesma afirmou, esse cd de duetos era o mais importante de todos, pq foi feito com as musicas q ela mesmo escolheu e com os cantores que admira (Lila Downs, joaquin Sabina, Eugenia Leon, etc). Aquele era o cd DELA. Talvez seu ultimo sonho realizado.
Em um lindo discurso, Maria Cortina falou do imenso respeito que Chavela tem por seus amigos, que essa é a relacao mais linda que se pode ter com uma pessoa, que ela ja perdeu amigos, mas os que ganhou foram em numero muito maior. Ela falou da for,ca que move as pessoas ate ela vindas de todos os lugares do mundo e disse a todos que essa magia havia chegado ate uma brasileira chamada Thais Petranski que acabou encontrando um outros grande fa de Chavela na internet e que juntos foram busca la em sua casa em Tepoztlan. Eu quase morri do coracao.
Chorei tanto, mas foi tao lindo!
As paresentacoes musicais seguiram e no final todos os artistas estavam no palco para cantar a ultima musica do cd chamada "vamonos", minha segunda musica favorita, só que pouco antes Maria olhou na minha direcao e chamou ao palco a brasileira Thais Petranski. Subi nao sei como aqueles cinco degraus, e fiquei do lado direito de Chavela. Cantamos todos a cancao, muito emocionados, sabendo que aquela foi a ultima grande homenagem aquela estrela da musica mexicana.
Outra vez me senti homenageada no Mexico, outra vez tudo valeu a pena.

Fui convidada a ir a Tepoztlan amanha, e na saida do palco, tirei algumas fotos com ela (que nao posso baixar neste momento pq o cabo da maquina nao esta aqui) e disse a ela que eu ia na casa dela ver o Toby, o joaquin e a Lola, ela com um sorriso respondeu "Com mucho gusto".

Antes que todos questionem o pq de eu nao ter tirado muitas fotos daquela noite especial, digo que as melhores otos foram tiradas em novembro, as fotos iluminadas. As imagens que eu sempre terei de Chavela serao as que pude viver naquela sala de cristal em Tepoz, quando a vi lendo meu livro, quando ela pediu para que eu escrevesse a ela.
Chavela tem uma for,ca tao grande,que mesmo seu corpo nao respondendo ao seu espírito, ela consegue ser mais forte que a propria idade e obriga o corpo cansado a sorrir, a aplaudir, a agradecer. Que mulher eh essa?
Estou imensamente feliz e creio que ela tambem, por ter chegado tao longe mesmo com a vida de excessos que teve. Aos 91 anos ela eh a prova viva de for,ca e de uma energia inspiradora que quase nao se identifica em um ser humano. Os genios sao assim. E ela eh um genio nao so da musica, mas tambem da vida.

Tenho a total certeza de que Chavela está aqui hoje (na terra) para a realizacao desse ultimo sonho e sei que amanha ou depois ela irá para a "terra para onde vao os cantores e ira rever os grandes amigos que perdeu durante sua longa vida". E já comecou a comemorar esse reencontro ,ontem mesmo, depois que saiu do palco, quando tomou um golinho de tequila ouro.
Hasta el ultimo trago corazon. Hasta el ultimo trago de vida.

Thais Petranski

terça-feira, 27 de abril de 2010

Alma de artista


As pessoas falam muito em respeito, adoram conjugar o verbo respeitar, mas sem a primeira pessoa.
Tu respeitas
Ele respeita
Vós respeitais
Eles respeitam

Querem respeito sem respeitar...tudo é tão comum, não é mesmo?
Agora, como uma pessoa pode respeitar um artista, ou qualquer outro ser, que tenha comportamentos um pouco diferentes da maioria das pessoas?

Eu, Thais Petranski, para escrever, preciso de silêncio e inspiração. Para pintar, preciso de silêncio e concentração. Para desenhar, idem. Para dormir, para comer.
Eu amo o silêncio, única e exclusivamente porque posso ouvir claramente meus pensamentos e o que pede meu coração. Dessa maneira posso saber para onde posso caminhar.
Sair de um emprego que me fazia mal foi encarado como um ato rebelde até mesmo pela minha família. Mas devo tentar ser feliz, não é mesmo?
Sem incentivo, mas correndo atrás dos meus sonhos atuais. Isso é crime?
Quero escrever, desenhar e pintar, isso me faz feliz hoje, se ninguém pode concordar com isso que no mínimo respeite minha liberdade.

A alma de um artista é vista muitas vezes como algo "bem estranho", pessoas que vivem em um mundo exclusivo, sempre voltado para os insights inspiradores que têm. Por isso sempre fui muito calada quando criança. Por isso também é que preciso de momentos só meus.
As vezes uma música me inspira muito, mas tenho que executar a pintura , no caso, com a tv ligada, só para que eu não ouça mais barulho algum que possa me desconcentrar.
Acha estranho? É assim que minha mente funciona, quer você concorde ou não. E é assim que me encontro e encontro a minha paz.

segunda-feira, 26 de abril de 2010

I´m free

Don't be afraid of your freedom
Freedom
I'm free to do what I want any old time
I said I'm free to do what I want any old time
I say, love me, hold me, love me, hold me
'Cause I'm free to do what I want any old time
And I'm free to be who I choose any old time
I say, love me, hold me, love me, hold me
'Cause I'm free

I say, love me, hold me, love me, hold me
'Cause I'm free to do what I want
To be what I want, any old ti-ime
And I'm free to be who I choose
To get my booze, any old time
I say, love me (love me forever)
Hold me (And love will never die)
Love me, hold me, 'cause I'm free

Do you hear what I say These are the words me hear from my grandaddy, oh these are the words me hear from my grandaddy
Who say nothing in this world like when a man who he free
Free from the ?lackamissa?
Free from the ?dee?
Free like a butterfly, free like a bee

These are the words me hear from my grandaddy
Said it's nice to be free, nice to be free
Free from the ?lackamissa?
Free from the ?dee?
Don't be afraid of your freedom

'Cause I'm free to do what I want any old time
(I'm a new creation)

sábado, 17 de abril de 2010

A imagem descoberta


Hoje, também é o aniversário do meu pai. Teve festa, família reunida e pela primeira vez na vida, vi o rosto do meu avô paterno em uma foto antiga em um porta retrato na casa da minha tia Marga.
Sempre que eu falava dele, para explicar a origem do meu sobrenome, me vinha um rosto imaginário, que eu formei com vários rostos diferentes. Mas, escolhi que ele se parecesse com o conterrâneo o Papa João Paulo II. Era assim que o imaginava. Só sabia que ele tinha olhos azuis, só isso.
Agora estou decorando os traços, as características e seu olhar.
Talvez polonês, talvez brasileiro, mas Nicolau Petranski, o meu avô.

:)
Na foto: Vó Ana, Vô Nicolau, meu pai e eu.

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Para pensar...

As pessoas idiotas sempre existiram e sempre existirão. As hipócritas e inseguras também. As incomunicáveis, as preconceituosas, as inúteis, as mentirosas e também as "filhas das putas".
Algumas possuem mais de uma dessas características, outras, por sua vez, possuem todas.
Resta saber o que fazer ao encontrar com um tipo desses.
-Fuja!

É apenas um conselho!

- Fale!

Ela é capaz de te ouvir ou só te inunda de lamúrias?

-Suma!

É um período de descanso, sem dúvida.

terça-feira, 30 de março de 2010

Segredo da passagem


O silêncio absoluto, a ausência de pensamentos. Meditação.
Procurando entre as ruas, em cada canto, tentando enxergar mais além da escuridão. Onde os olhos não alcançam mais. Nem mesmo os pensamentos.
Pensar, tentar, criar, fazer, aceitar, largar.
Quando a vida força a barra, quando te obriga a deixar de ser você mesmo. O que você faz? Pra onde você corre? De quem você se esconde?
Vai. Não pense tanto. Siga. Pra onde você encontrar um pouco de paz.
Ou toda a paz que quiser.
Procurando a liberdade dentro de um cofre repleto de passagens. Para todos os destinos de sua imaginação.
A encontrando dentro de um espelho mágico, com infinitas possibilidades às avessas.
Silêncio.

terça-feira, 23 de março de 2010

Asas pra voar


Mente cansada, corpo pesado, muito sono.
O ar carregado entra com dificuldade em meus pulmões, me sufocando aos poucos.
As noites parecem curtas tamanho meu cansaço. O barulho durante o dia só é mais um agente enlouquecedor e bloqueador das minha idéias criativas.
Morta viva, é assim que estou.

Qualquer imbecil sabe que estes sintomas físicos são sinais de depressão. É isso o que acontece quando uma pessoa livre é aprisionada dentro de regras estúpidas e sem razão de ser, quando se cortam as asas gigantescas de um ser que só sabe voar.

Me prender numa sala que não é minha, me deixar sem função alguma durante o dia e esperar que um milagre ocorra na empresa.
Enquanto isso eu morro.
De tédio.
De raiva.
De tristeza.
De vontade.
De asfixia.

Preciso voar.

domingo, 21 de março de 2010

Terezinha de Jesus

Terezinha de Jesus
De uma queda foi ao chão
Acudiram três cavalheiros
Todos chapéu na mão.

O primeiro foi seu pai,
O segundo seu irmão,
O terceiro foi aquele
Que a Tereza deu a mão.

Terezinha levantou-se
Levantou-se lá do chão
E, sorrindo, disse ao noivo:
Eu te dou meu coração.

Tanta laranja madura,
Tanto limão pelo chão.
Tanto sangue derramado
Dentro do meu coração.

Da laranja quero um gomo,
Do limão quero um pedaço,
Do menino mais bonito
Quero um beijo e um abraço.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Austregésilo Carrano Bueno


O livro "Cantos dos Malditos" conta a história real de um garoto de 17 anos que é internado em um manicômio após seu pai encontrar maconha no bolso do filho.
Ele passou cerca de três anos internado, tomando remédios fortíssimos e eletrochoques. Uma infinidade deles.
Isso aconteceu na década de 70 e a história de Austregésilo Carrano Bueno.
O conheci em 94. Conversávamos longamente e tomávamos umas cervejas. Faz tanto tempo.
Ontem passei em frente ao Bar Opção. E como sempre, lembrei da voz dizendo:
- Pôoa gata!
Ele era engraçado, calmo e sempre tinha muito o que contar.
Fiquei muito feliz quando, tempos mais tarde, o filme "Bicho de sete cabeças" foi lançado. Ele foi imortalizado e sua luta contra os manicômios jamais será silenciada.
Saudade.

segunda-feira, 15 de março de 2010

Diário de uma pessoa inteligente excluída do mundo digital


Mais um dia estúpido cumprindo horário. As horas demoram a passar porque praticamente todos os sites que me aproximavam das novidades e de novas idéias estão bloqueados. Não tenho acesso nem aos meus blogs, mas isso não me impede de seguir escrevendo e postando da minha casa tudo que penso.
Se você está se perguntando: - Mas porque ela quer navegar tanto no trabalho? - eu respondo!
Já não tenho função alguma para desenvolver, estou na famosa "geladeira" porque não sabem o que fazer comigo (demissão não seria a atitude mais profissional??? Óbvio que sim!). Já não tenho ânimo nem pra sair da minha cama de manhã (sim, depressão!) afinal, sei que passarei horas improdutivas e banais. Não quero receber um salário para não fazer nada. Não sou esse tipo de profissional, e também não investi meu dinheiro com uma pós graduação para ficar engessada.
Dia 15, o meio do mês. Uma péssima data para fechar "minhas contas".
Para piorar, muitas pessoas estão se sentindo afrontadas com o meu retorno forçado ao famigerado call center. Mentes pequenas não conseguem entender que não sou ameaça alguma, estamos na mesma situação desagradável. Virar a cara, fazer piadinha, falar babozeiras, está é o singelo tratamento que estou recebendo por estes grandes profissionais.
O que quero para minha vida é muito mais que toda essa palhaçada na qual me vejo momentâneamente. E é exatamente por isso que garanto: Não sou ameaça à vocês! Se há uma única coisa boa em todo esse desespero no qual me encontro, é conseguir encontrar a certeza do que quero para mim.
E quanto à exclusão digital que passo neste momento, reafirmo: Enquanto houver papel e caneta, seguirei repassando minhas intermináveis idéias, relatando o que eu bem entender e dizendo à todos que a vida é muito mais do que os metros que temos diante de nossos olhos.
A minha vida é.

Agora vou pegar meu celular e enviar um post no Twitter. Nada como a tecnologia, não é? Bloquear meu celular eles não conseguem! Hahaha
A inteligência sempre vence no final. Sempre.
Fui!

sexta-feira, 12 de março de 2010

Presença inútil


Hoje foi um dia ridiculamente vivido. Estar de corpo presente para esperar trabalho é uma coisa tão repugnante e sem sentido que chega a ser enlouquecedor.
Entendo as pessoas questionarem o motivo da minha presença, mas não sei explicar a falta de ter o que fazer.
É humilhante essa situação. Uma pessoa estuda, se dedica, se arrisca pra ficar no ócio? Eu não.
Mais uma vez terei que mostrar o quão prática uma pessoa deve ser. Não me venha dizer que é coisa de aquariano rebelde, talvez de um aquariano que vê além de seu tempo. Sempre à frente.
Além disso, uma pessoa com sede de conhecimento ser privada de informação na internet é algo aterrador. Vivi a exclusão digital. Nada de blog (com meus pensamentos), nada de twitter, etc
Impotente, essa é a palavra.
Estou vivendo dias surreais e não estou gostando nada disso. Mudar. Me transformar a partir do caos, é isso que estou tentando fazer.

Nunca te olvides:Iazul! Iazul!

terça-feira, 9 de março de 2010

Criada a Primeira Delegacia de Proteção aos Animais de São Paulo.


Há cerca de 5 anos, uma vizinha se divertia ao jogar bombinhas no cachorro da minha avó. Além de se assustar com o barulho, ele foi queimado diversas vezes.
Até que fiz o comunicado: se ela fizer outra vez farei um B.O.
E ela fez. Claro que minha vontade era dar uns bons tapas nessa vizinha, mas decidi ir até a delegacia mais próxima.
Quando disse ao delegado que queria registrar a ocorrência, ele riu de mim e disse que não faria. Só após muita insistência da minha mãe ele registrou.

É com grande alegria que repasso esta notícia: em Campinas, foi inaugurada a Primeira Delegacia de Proteção aos Animais de São Paulo.

Uma conquista muito importante para todos que, assim como eu, já enfrentaram dificuldade ao tentar fazer um Boletim de ocorrência devido a maus tratos aos animais.

Espero que a cada dia, todos possam entender e agir em prol de vidas inocentes e tão maltradas por nós, os seres "RACIONAIS".
Mais informações no site da Luisa Mell http://luisa.mell.blog.uol.com.br/arch2010-03-07_2010-03-13.html

BJS, Thais Petranski

domingo, 7 de março de 2010

Uma tarde em Coyoacán


Hoje, depois de muitos dias cinzentos, finalmente o céu se abriu em um lindo azul.
As maritacas voltaram a tagarelar, trazidas pelo vento quente desta tarde de verão.
Os domingos em Coyoacán são sempre iguais: lindos e inesquecíveis. As pessoas estão sempre vivendo seus passos por entre as ruas, calmamente. Tomam sorvetes, ficam na praça observando a vida acontecer. Coyoacán é um lugar secreto e feliz, onde os sonhos se realizam. Eu seria capaz de caminhar para sempre, me perdendo e me encontrando em cada uma destas suas ruas.
Além de tudo que é possível ver por aqui, há algo que não consigo explicar e que torna este lugar tão especial. É um brilho que não consegui perceber em nenhum outro lugar em que estive. É magia. Não tem outra explicação.
Só pode ser mágica ter uma tarde em Coyoacán estando em São Paulo e me sentindo tão perto de todo aquele mundo especial.

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Lucidez silenciosa


O silêncio "auditivo" me encanta porque preciso de alguma maneira conseguir ouvir meus pensamentos. Mas, existe um tipo de silêncio que é enlouquecedor. O silêncio da falta de tempo, que faz com que uma caixa de entrada esteja vazia. Ou o silêncio do telefone sombrio, que é capaz de enganar a mente.
Silêncio é como o tempo. É uma questão de preferência.
Prefere-se fazer qualquer outra coisa a falar. A mudez tecnológica parece mais martirizante, neste mundo onde 140 caracteres podem virar notícia, esperar horas por uma resposta parece o esquecimento absoluto.
Quando as palavras já não têm voz, é indiferente. Não há o que ouvir porque não faz diferença.
Ás vezes, uma voz pode se tornar uma orquestra inteira aos ouvidos de quem precisa ouví-la.

Acabo de lembrar de uma canção chamada Silent Lucidity (Queenryche)e ela diz algo que vem de encontro ao que estou dizendo.

"Estou sorrindo próximo a você, numa lucidez silenciosa.
Visualize seu sonho;
Grave-o no tempo presente;
Coloque-o dentro de uma forma permanente;
Se você persistir em seus esforços;
Você pode conseguir o controle do sonho;
Controle do sonho;
Como ficou então, melhorou? Me abraçe."

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Deserto

O espaço.
O silêncio.
A ordem.
O respeito.
A casa.
O dinheiro.
A liberdade.
A paz.
A inspiração.

O espaço que eu preciso para encontrar a paz.
O silêncio que tenho que ouvir para dar asas à minha imaginação.
A ordem que preciso ver para que a casa ainda seja um lugar sagrado.
O dinheiro que tenho que ganhar para ter a liberdade de comprar a paz.
A inspiração que me falta para finalizar um lindo projeto, que sem o silêncio dentro de casa não consigo.

A minha casa. A casa que eu não sei onde fica. A minha ordem e perfume. O lugar no mundo que quero encontrar para poder ser a Thais que não consigo vivendo na casa que não é minha. A época de morar sozinha está passando e não consigo ainda. Não preciso dizer tudo que penso e sinto, até porque, você não quer ouvir. Nem com meus sonhos realizados consegui tirar um sorriso do seu rosto. É, nada te alegra mesmo.
Não me cobre por não conseguir falar com você, pense: quando é que quis me ouvir realmente?
Será que depois de tantos anos, ainda não consiga notar que eu amo o meu silêncio?
Por que não pode me respeitar se sou diferente da sua outra metade?
Enquanto morarmos juntas sempre será esse inferno.
Eu estou tentando me encontrar para não me jogar no chão do desespero que me bate tantas vezes, mas que ninguém sabe. E nem precisa saber.

sábado, 6 de fevereiro de 2010

Você está sempre na minha mente


Na tinta azul que ainda mancha meus braços. Na imagem que meus olhos veem. Nos sonhos durante a noite.
Na vontade que tenho de escrever, de desenhar, de pintar, de viajar, de voltar.
O ar que eu respiro tem o timbre de sua voz.
Ela preenche meus dias e minhas noites.
Mesmo longe, está absurdamente perto.
Sempre.
Este, é o quadro que acabo de pintar. Se chama "O beijo sanduíche". E é só mais uma prova de que Chavela Vargas, não sai da minha cabeça. Nem do meu coração.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

São Paulo é sangue bom porque é aquariana!

Que alegria falar da aniversariante de hoje! Uma aquariana com todas as características do melhor signo do zodíaco e que transforma a vida de quem tem a oportunidade de conhecê-la.
Estou falando da cidade de São Paulo, a maior cidade da América Latina.
Seu Elemento é o Ar. Elemento da comunicação, e ela a usa com sobriedade! Onde após se ter o ideal em mente, conceitualiza, relaciona e explica seu Universo, ora calma, ora caótica.
Humanitária , intuitiva, reformuladora , impulsiva , extravagante.
Ela possui uma expressão original, advinda de seus diferentes habitantes. Pode ser muito criativa o que a torna excêntrica e rebelde aos olhos menos preparados para a sua complexidade.
A cidade independente que hoje completa 456 anos ama a liberdade. Dona de uma beleza singular e de um magnetismo especial, jamais passa despercebida. Seja por sua grandiosidade frenética ou pelas dificuldades que ela não tenta esconder.

Sol em Aquário/Sol em São Paulo:
"Sou a minha diferença, sou o meu grupo". Como traduzir tamanha segurança de si próprio?
Aliás, quando ela se decide jamais desiste, até sua meta ser atingida. Isso vale para todos os níveis do querer!
O planeta que rege o aquariano é Urano. À eles lhes proporciona a instabilidade que faz sofrer muitas vezes sua inquieta alma. E por falar em alma... São Paulo é tudo em um único lugar. Ela antevê o futuro, mesmo que não tenha sido inteiramente criado, desta maneira pode ser pensado e inventado, quantas vezes o aquariano quiser.

Solidária, age para o bem comum, para que todos sejam realizadores de suas obras.Oferece as mais variadas ferramentas e oportunidades aos nascidos em qualquer lugar do mundo e que vêm aqui buscar uma vida melhor.
São Paulo prefere relacionamentos constantes e duradouros, sempre.Fácil de entender quando descobrimos a quantidade de pessoas que elegem esta cidade para viver na saúde e na doença...

Signo da produção em série, da moda e das ideologias reformadoras, Aquário trata de igual para igual o mais humilde e ao mais importante membro da sociedade humana, pois percebe em cada um deles a única humanidade que ambos possuem em comum, e em prol da qual é capaz de comprar as brigas mais feias e acabar sofrendo a perseguição dos mais conservadores. São Paulo!

O aquariano acredita no que pode compreender e busca razões até mesmo para as emoções, um campo complicado em sua vida, pois muito distante de seu jeito de encarar a vida. Aquário precisa de espaço para ir e vir.
Quer ser diferente, mas odeia ser encarada como diferente, quer ser igual entre os iguais, a tal ponto que pode se tornar autoritária quando não vê esse seu desejo ser atendido.
É honesto e totalmente leal. Original e brilhante. Independente e intelectual. Tranquila e caótica.
Pelo lado negativo, o aquariano é imprevisível e tende a contrariar. É pouco emocional e não compreende a complexidade emocional de algumas pessoas e a traição entre amigos. Por outro lado, gosta de lutar por boas causas, sonhar e planejar um futuro feliz. Promessas vazias não os agradam. Não gostam do cotidiano e das imitações. Preferem ver quais são as possibilidades.


Assim como os aquarianos, São Paulo tem a personalidade forte e atraente. Às vezes tímida, sensível, e paciente. Outras exuberante, viva e pode chegar a esconder as profundezas de sua personalidade embaixo de um ar frívolo ou da garoa.Porém, a força da convicção e da verdade nos faz acreditas que é possível mudar de opinião e assumir a nova postura.
São Paulo tem o signo mais capaz de ver os dois lados de um argumento.É o signo mais tolerante e sem preconceitos de todo o zodíaco. Sempre aberta à verdade e disposta a aprender com todos que aqui desfrutam da sua companhia.
Mesmo cinza, ela tem um sentido de unidade com a natureza.
Apesar de ter certos segredos, ela não compreende uma falta de integridade ou promessas quebradas. Faz parte de seu lado negativo sentir-se magoada por uma traição ou ficar em silêncio até explodir em um momento de raiva.Quando se sente enganado, sua fúria é terrível. Sua reação as chuvas podem ser facilmente compreendidas agora, não?
Esta cidade representa o idealismo, o progresso, a democracia, o individualismo, a independência, a igualdade e a fraternidade. Esta liberdade muitas vezes é confundida, e a julgam como excêntrica, utópica, desleixada, rebelde, imprevisível e intempestiva.
Sem dúvida alguma, o aquariano traz novas idéias ao mundo. O inconsciente flui através de suas mãos, tornando-o instrumento para a busca de soluções originais e descobertas transformadoras. Assim é a minha cidade!

E para provar tudo que eu disse até agora, para comemorar esta data tão especial, São Paulo terá uma apresentação de Milton Nascimento no Parque da Independência e receberá todos os fãs com uma bela e forte chuva. Claro que estarei lá!
Por São Paulo, por Milton e por todos os aquarianos que assim como eu, conduzem sua vida, mesmo que para a chuva!


PS: o lema de São Paulo é "Não sou conduzido, conduzo."

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Os anos que passaram em um dia



Hoje o dia foi absurdamente longo. Entre as 09:20 e agora (22:40)parece que se passaram meses. Uma lembrança distante da pele que ardia aos 40ºC e do vazio daquele olhar.
Pouco lembro de ter juntado os pertences,ou te ter assinado alguns papeis. O som do oxigênio está bem distante também. Assim como o curativo que tivemos que refazer.
Os gritos de ontem foram substituídos pelo som do seu sorriso. Pelo som que eu recordo do seu sorriso.
E tanta coisa veio à tona novamente.
A laranja cortada em gomos e que eram colocados em fileira decrescente, onde cada gomo era uma neta. Lembrei do frango ensopado que nunca ninguém fez melhor, do gosto da batata assada e também das batatas fritas com alecrim. O molho do macarrão com pedaços de carne. Até a canja de galinha, era a melhor. Possivelmente não seria vegetariana se ela cozinhasse...
Lembrei de dois sapinhos pequenos que tinham um imã cada. Um vermelho o outro azul. Ficavam em uma caixinha de madeira. Aliás, uma vez eu quis criar uma joaninha que peguei no pé de manjericão.A coloquei nessa caixinha, mas ela fugiu! Claro, eu havia deixado a caixa um pouco aberta para ela respirar!
Lembrei da Filomena, do Ciccio e do enterro desse passarinho que viveu mais de 20 anos (dizem que viveu mais de 30 anos e foi passado de geração em geração).
A lata de botões.Os azuis eram os meus preferidos.
Eu lembro dessa casa como era há 20 anos. A penteadeira com o perfume em forma de sino de um azul absurdamente maravilhoso.
Da Nossa Senhora de Fátima de tocava uma musiquinha ao darmos corda.
Da saída do colégio e do cheiro de dama da noite.
Tudo muda, mas existem coisas que ficam para sempre.
Os marzipans jamais serão os mesmos.
Nem os coelhinhos de chocolate na Páscoa.
E os papais-noel no Natal.
A Rua Batata Ribeiro...quem poderá esquecer? Nunca estive lá fisicamente, mas na imaginação sim. Quando ela contava histórias de lá.
Tantas outras coisas que só possuem significado por alguém ter existido e ter dado significado a tudo.
É nisso que vou pensar agora. Chorarei tudo que tiver que chorar, mas sei que estes últimos anos ficarão perdidos no tempo e serão substituídos pelo cheiro da torta de acelga com rolinhos de massa em cima, pelo pão de ló com goiabada e pelo esmalte pink, do mesmo tom que estão minhas unhas hoje.

Descansa vó.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O grito mudo


-Eu não posso... esse era o grito de guerra.

Parou de gritar para dar o último sorriso que vi e o último beijo que me deu. Foi sábado, por volta das 13:30.
Porém a batalha cansava apenas o corpo físico. A mente gritava para acordar o corpo que já não reagia.
Ontem,a presença ausente daqueles olhos, já anunciava o que estava por vir, assim como aquele sangue parado que hoje corre com morfina e muito sono.
Até o último minuto de consciência, a vontade de viver era absoluta e nem mesmo a dor física a fazia titubear.
Agora o silêncio traduz a paz da mente de quem gostaria de ficar aqui para sempre.
O coração bate, o pulmão inspira normalmente, mas ela não está aqui.

Você não pode e eu também não. Não agora.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Surpresas da vida



Estou infinitamente em paz comigo. Tudo realmente entra nos eixos quando sabemos para onde devemos seguir.
Estou feliz por ter me reencontrado com a arte. Por retomar contato com familiares que há tempos não via (Lola, é vc mesma!)
Estou mais feliz ainda por conseguir me dedicar aos meus estudos (estoy hablando español!!!).
Feliz por conhecer pessoas tão especiais, que mesmo à distância alegram muito minha vida .
Feliz por saber que tive a possibilidade de conhecer o país que eu tanto amo , mesmo que a saudade de tortillas me sufoque e faça disparar meu coração.
Só tenho a agradecer, por tudo que tenho hoje.
Sonho muito, mas o que me deixa muito feliz mesmo é saber que eu posso realizar cada sonho!

Muito obrigada!!!