Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Lugares

É um corredor vazio.
Um olhar por trás dos óculos.
Uma camisa amarela.
Uma mesa trocada.

Um chopp na esquina.
Um suco de laranja e dois de tamarindo.
Pratos de comida indiana.

Um vestido verde.
Sapatos vermelhos.
Carro novo.

Uma tarde no Memorial da América Latina.
Uma revista Vogue da Frida.
Perfumes novos da internet.

Cabelo cortado.
Cabelo cacheado.
Cabeça raspada.

Uma namoradeira gigante.
Um creme de anis.
Uma dieta saudável.

Comida mexicana.
Pé quebrado.
Filhotes de cão.

A saudade está em todo lugar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário