Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Mundo ao contrário

Mentira de um vira verdade universal,
homofobia agora é "preservação da humanidade",
educação evapora com um clique,
bizarrice é o novo não quero,
menosprezo substitui o diálogo
arrogância vira poder na mente do frustado sexual,
"eu sou Dr. X e não farei isso" é a justificativa do ego inflado para seus caprichos,
(lembrei do Mario Sergio Cortela com o seu "Você sabe com quem está falando?")
puxar saco é garantia de plano de carreira,
mostrar eficiência não é mais que obrigação, te pago pra isso, mesmo que muito mal

Manda quem pode, obedece quem tem juízo (ou está tão acomodado que nem tem força pra mudar?)
O errado continua sendo errado, mesmo que todos façam.
A mentira sempre será a pior maneira de resolver um problema.
Todos possuem um estado de vida muito elevado, mesmo que não demonstre nunca.
Ela não é secretária, é só uma "assistentezinha" para justifica a economia empresarial.

É muito desafio mesmo e haja fé.
PQP... haja fé na humanidade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário