Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

domingo, 23 de maio de 2010

Treinta y uno


Tan
Tudo
Tecnologiá
Tarde
Tacto
Toda
Teminación
Ternura
Telepatía
Tela
Ti
Temblor
Taquicardia
Tinkerbell
Tocar
Terrible
Tono
Telecomunicación
Temprano
Tender
Título
Timbre
Tentar
Toque
Transcendencia
Tomar
Tornar
Traer
Trámite
Tranquilo
Teoría
Tesoro
Tampoco
Teléfono
Tortillas
También
Tácito
Tardas
Táxi
Tarea
Tepito
Tarjeta
Ticoman
Thais
Tablado
Tepoztlán
Tablóide
Templo
Temporal
Tabular
Taza
Taquilla
Temer
Temperamento
Tempestad
Tatuaje
Tequila
Triste
Turista
Tu
Tuyo
Te extraño
Tanto

Nenhum comentário:

Postar um comentário