Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

terça-feira, 30 de junho de 2009

εїз .¸¸.•♥´¨`♥•.¸¸¸.•♥´¨`♥•.¸.•♥´¨`♥•.¸¸

Seu tempo de vida é diminuto e em sua fase mais bela nos encanta e nos faz sonhar.Como se voar fosse uma simples tarefa. Delicada, colorida. Quase sempre buscando cores e perfumes. Vaidosa?Voa sozinha quase sempre. Tão linda, mas sua morada é desconhecida. Ela já foi larva e já viveu em um casulo. Ela quer voltar para lá, para sua vida segura, para sua paz. Sua felicidade pode ser apenas um casulo. Sua alegria não mais é voar? O tempo é curto. A busca é longa. Tão pouco tempo para contemplar seu encanto. Existem algumas como ela, porém, ela é única. Com o tempo sua alegria se esgota, e já não sente mais medo de voltar a ser lagarta. Ela não sabe que nunca será novamente, mas se não há medo, melhor assim. Pode usar o resto de energia para continuar a bater asas e buscar a beleza de outras flores. Outros perfumes. Lugares. Sozinha a voar. E ninguém jamais a viu. Passou pelo mundo para alegrar. Voou para um casulo e se transformou em lagarta porque cansou de voar. Ela desistiu da busca. Linda, encantadora, delicada. Parecia tão feliz. E nem ela conseguiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário