Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Dia do amigo: Carta à Tarso

Tarso:

Eu não tenho notícias de Clara desde sua partida. Na última conversa falamos sobre o relacionamento de vocês, e eu tentei dizer a ela, mas ela não quis me ouvir. Desculpe por escrever esta carta à você, mas acredito que a visão de fora é sempre bem diferente.

Penso que tudo que disseram poderia ter sido interpretado de outra maneira. A outra vida que aconteceria se outras decisões fossem tomadas.
Dizer o que deveria ser sentido. Sentimentos não podem ser criados com palavras.
Amar "de verdade"?
Vejo várias coisas fora do lugar, questões demais, cumplicidade de menos.
A Clara que você conheceu era bem diferente daquela na qual ela estava se transformando. Ela lutava com ela mesma para corrigir seus erros, mudar sua postura e melhorar como mulher.
Você quis tudo minimamente explicado, mas preferiu não acreditar na realidade das suas atitudes. Ficou só com sua opinião, com seu complexo e seu desamor.
Com seu medo de ser rejeitado por quem estava de provando o contrário, optou por dar ênfase às discussões infinitas. Acabou criando um mundo paralelo para se tornar a vítima do amor.
Você a julgou por um sentimento de perda que vinha apenas do seu coração. Uma lacuna que tenta preencher. A julgou por erros de meses anteriores. Não conseguiu ver a nova realidade.
Toda sua ira foi transferida para a imagem feminina dela. Todo seu ódio e trauma, como se ela fosse a culpada por sua vida.
Ela chorava desesperadamente porque sabia que você não estava mais presente. Lembra que você mesmo afirmou isso dias antes de estar "amando" outra pessoa, apesar de dizer que adorava Clara?
Palavras perdidas que não tiveram outra função além de machucá-la.
Você conseguiu criar dois mundos na mesma realidade: uma namorada para cada personalidade sua.
Uma que supria seu ideal físico, outra que supria sua carência.
Para se manter na sua zona de conforto e se manter seguro, você não aceitou o diferente na sua vida, a pessoa fora dos padrões. Não era isso que você mesmo dizia gostar nela?
Você bem sabe que Clara era uma pessoa diferente. Mas é tão difícil entender que as pessoas não são iguais e que isso é bom, não é mesmo?
Fui eu quem deu a idéia do café da manhã no parque. Um lugar de paz para que ambos refletissem sobre a presença do outro em suas vidas. Mas se conformaram com a ausência. O passeio que virou um sonho distante.
Estranho como o bom e o ruim estão divididos por uma linha tão tênue para alguns. Conseguir aceitar o amor diferente do que sonhou, poderia te fazer feliz se você não quisesse tudo apenas do seu jeito.
Ela se esforçou muito e estava conseguindo mudar para melhor. Ela só precisava do seu reconhecimento.
Confiou muito em você, te contou segredos que nem eu sabia. Eu entendo isso como prova de amor. Sofreu muito quando percebeu que não deveria ter confiado tanto em você. Perdeu o chão. E para se sentir dono da situação, você criou o seu porto seguro. Que foi a extensão de você mesmo. Do (quase) TUDO de você mesmo.
Nem todas as pessoas querem lutar para manter seu amor junto de .
Tantas confundem desafio com amor, então, à partir do momento em que o amor se torna possível, o desafio deixa de existir.
Desculpe, mas para mim isso nunca foi amor. Foi apenas uma meta que quando alcançada, te cansou. E você estava cansado à tanto tempo. E foi seguindo os conselhos mais torpes, como manter uma pessoa para te servir como estepe. Ficar com duas e se decidir depois. Ficar na promiscuidade até descobrir quem te satisfaz melhor. Ser homem é isso?
Minha amiga te contou tudo, cometeu erros, mas nunca te traiu. Foi inocente por acreditar que você pudesse ser aquele que dizia ser.
Sabe o que a magoou mais? Ela olhar bem nos seus olhos e você mentir descaradamente, sem ao menos demonstrar que mentia. Seu cinísmo. Sua mentiras provavelmente não terminaram naquele momento, porque se convenceu alguém de que ela era a nervosa e era Clara quem te procurava, imagino todas as histórias que inventou para manter uma outra pobre pessoa ao seu lado. Escravizar o amor. Foi isso que fez.
Tudo que começa com mentira não tem um final muito bom.
Quem faz uma vez, faz sempre. Assim como quem dá conselhos de como enganar o próximo, assim também o faz. Com quem estiver ao seu lado. Com quem o desagradar.
Ninguém é obrigado a gostar de ninguém, mas mentir para se sentir gente, é nojento mesmo.
Você se cansou da música nova, do perfume novo, da natureza velada, do ritmo do novo mundo.
Mudamos de opinião o tempo todo e não é disso que estou falando, afinal precisamos evoluir.
Só acho triste saber que você não assumiu o que disse, não assumiu seu (pseudo) amor e que nunca teve dúvida entre amar e ser amado.
Realmente você tentou se apaixonar. Por quem eu realmente não sei, mas poderia ter começado por você mesmo.
Talvez tenha conseguido, mas sei que para você é mais simples fingir que ama a assumir que foi fraco, covarde, mentiroso e indeciso.
Você a teve nas mãos, mas a brincadeira perdeu a graça.
Ela foi mulher para assumir os erros e para abrir o coração a você. Poderia ser sido honesto com ela também.
Mais triste é saber que "seguir a vida" significa fazer o possível para satisfazer seu ego. Pisando e excluíndo um ser da sua vida como se um objeto fosse. Doa a quem doer.
Alguns almejam ser pessoas melhores DE VERDADE, outras preferem fingir.
E nesse teatro, se tornam apenas coadjuvantes da vida real que poderiam ter. E fingem se contentar com o simples.
Você atuou muito bem na peça que criou.
Pena que quis atuar também na vida real.

Clara não pode pensar mais nisso, não pode sentir. Mas tenho certeza que ainda vê os mesmo olhos brilhantes e que ainda sente o cheiro da sua jaqueta de couro. Esteja ela onde estiver.

Desculpe por escrever, mas neste dia do amigo, só posso dizer que sinto muita falta da minha melhor amiga.

Um comentário:

  1. de repente me veio a mente a história de "stan" do eminem na mente...
    q a um tempo atrás resgatei por ter escutado a musica "thank you" da Dido..
    nao sei se existe efetivamente alguma ligação... mas creio q sim!
    http://www.youtube.com/watch?v=KQR6yBwFHQU
    http://www.yehplay.com/br/musics/-Dido-Thank-you/128545/
    ai estão os links!

    ResponderExcluir