Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Matsuya - comendo um japonês



 O pessoal do meu departamento é festeiro, adora uma comemoração, Aniversário, despedida, férias, tudo merece um almoço especial. Hoje não foi diferente, toda a administração decidiu almoçar no japonês mais próximo da empresa, onde costumamos ir, para celebrar o aniversário de um colega. Dez pessoas divididas em dois carros, sedentas por shoyo, seguiram ao Matsuya Aclimação. Linda a reforma que fizeram, a decoração, tudo diferente desde a última vez que estive lá. Ocupamos três mesas seguidas para deliciar a maravilhosa culinária oriental e o objeto mais parecido com um cardápio que foi disponibilizado, era um displayzinho transparente posto em pé no canto da mesa com fotos dos pratos, algum texto e no final o preço do rodízio:
   Almoço R$ 27,90 por pessoa de segunda a sexta!
   Rodízio é rodízio, então vambora comer galera.
   Quero shimeji, yakisoba! E eu quero um salmão grelhado e uma coca.
   Quero tudo que tiver direito! Disse o outro. Eu pedi um rodízio vegetariano e um suco de laranja.
   Sim, vegetarianos podem comer em qualquer tipo de lugar, uma vez que os restaurantes sabem das diferenças alimentares de seus clientes.  Enquanto todos almoçavam eu esperava o que era meu por direito: tudo que tivesse cogumelo, fruta e verdura! Apareceu um prato de shimeji, que segundo informações fazia parte da entrada. Opa é comigo mesma! Todos devoravam seus sushis, sashimis, tamakis e afins que chegavam lentamente, mas chegavam. Finalmente,  depois de um tempo considerável, eis que surge o tão aguardado prato vegetariano: 5 sushis de morango, 5 de kiwi e 5 de algo parecido com repolho, 1 kiwi cortado e 4 pedaços de abacaxi. Onde estava a fartura de antigamente? E aquela barca de comida? Aquilo era a visão da miséria!
   Tudo que chegou às mesas foi praticamente implorado por quem já conhecia a variedade de pratos que podem ser servidos, mas nenhuma opção foi dada pelos atendentes.  Intrigante essa política de atendimento. Já eram quase três da tarde quando pedimos a conta, e para minha surpresa o valor cobrado pela fartura não carnívora piscava em fonte 24 na comanda: R$ 38,90.
   Não era possível, R$ 11,00 a mais para comer  fruta? Ah, palhaçada. Fui falar com o gerente. Me dirigi ao caixa e esperei que ele cobrasse todos da pequena fila formada. A pressa dele era tanta que não teve tempo para olhar em meus olhos quando falei que em lugar algum estava o valor aterrador que eu via em minha conta. Esse é o preço que cobramos por quem pede qualquer coisa diferente do que costumamos servir, não posso fazer nada. Ok, quero falar com o gerente. Ele não se encontra. Que bom! Mas eu me recuso a pagar esse valor, estou com mais  nove pessoas e é ridícula essa quantia pelo mal atendimento que tive. Não quer pagar não paga.
   Dessa maneira,  meu questionamento foi abolido. Eu queria pagar o que todos pagariam, mas que por algum motivo surreal alguém decidiu que era pouco.
   O sangue com shoyo subiu, e saí de perto daquele exemplo de bom atendimento, para me sentar  no sofá de espera enquanto os demais passavam seus cartões. Olhares estranhos, um clima pesado e pouco depois soube que uma atendente ria com outros clientes questionando o que um vegetariano fazia naquele lugar, cheia de preconceito estúpido discriminando um cliente. Que porcaria de lugar era aquele? Não como animais, só isso, eu não vim de Júpiter cacete!!!



Nenhum comentário:

Postar um comentário