Pablo Neruda

"Isso é tudo. Ao longe alguém canta. Ao longe. A minha alma não se contenta com havê-la perdido. Como para chegá-la a mim o meu olhar procura-a. O meu coração procura-a, ela não está comigo.
A mesma noite que faz branquejar as mesmas árvores. Nós dois, os de então, já não somos os mesmos. Já não a amo, é verdade, mas tanto que a amei. Esta voz buscava o vento para tocar-lhe o ouvido. De outro. Será de outro. Como antes dos meus beijos. A voz, o corpo claro. Os seus olhos infinitos. Já não a amo, é verdade, mas talvez a ame ainda. É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. Porque em noites como esta tive-a em meus braços,a minha alma não se contenta por havê-la perdido. Embora seja a última dor que ela me causa,e estes sejam os últimos versos que lhe escrevo."

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Nesse momento


Primeiramente, quero ensinar uma palavra nova: Niji.
No início do capítulo Hoben, do Sutra de Lótus, eis que ela aparece. Significa “nesse momento”, e é desse momento que gostaria de falar.
Tive provas concretas de que nada acontece por acaso, e mais, de que todos entram em nossas vidas por um motivo. Ontem mesmo, durante a reunião, lições importantes foram abordadas. Tais como: não lamentarmos, não nos basearmos no passado, focarmos no agora (niji), podermos mudar o rumo da vida e sermos o exemplo.
Assuntos que temos consciência, mas que não colocamos em prática muitas vezes, porque é difícil mudarmos nossos hábitos. Difícil, porém, essencial.
Diversas vezes ao dia temos a oportunidade de nos desafiarmos, de mudarmos nossa reação para com o mundo e não reagir é muito válido (aprendi recentemente isso, só falta colocar em prática). Conhecemos pessoas novas o tempo todo. Algumas, só permanecem alguns minutos. Outras, segundos apenas, mas estão conosco, mesmo assim. Niji.
Nesse momento, percebo claramente o que significa encontrar pessoas com a mesma “frequência”, os interesses comuns formam grupos seletos de pessoas com a mesma vontade, é aí que tudo pode mudar. Ou melhor, tudo pode acontecer.
Se sozinhos, atraímos nossos semelhantes em frequência, o que poderemos fazer em grupo então?
Nesse momento, sei que a vida de uma pessoa pode ser refletida milhares de vezes, em milhões de rostos, em bilhões de atitudes, diariamente, e que é apenas nesse reflexo que temos que focar.
Quer refletir calma? Seja calmo verdadeiramente.
Quer refletir amor? Ame verdadeiramente.
Reflexos de pensamentos não existem, só de sentimentos verdadeiros.
Coincidentemente, hoje tivemos nossa primeira aula do curso de poesia e todas as pessoas que estavam lá poderiam ser qualquer outra que lá esteve presente. A jornalista que nunca escreveu, o professor que não queria dar aulas, a advogada que queria estar em grupo, a pianista que é professora agora, a perdida no mundo, o louco que fora citado e que foi capaz de aprender. Tantos reflexos de nós mesmos. Muitas possibilidades.
Estas foram algumas das minhas descobertas nestes últimos dias. E espero que todos que leiam este texto, possam refletir um pouquinho sobre o que querem ver refletido por aí.

Segue o início do capítulo Hoben do Sutra de Lótus  e sua tradução.

Niji sesson. Ju sanmai.
Anjo ni ki. Go Sharihotsu.
Sho-bu-ti-e. Jinjin muryo.
Go ti-e mon. Nangue nannyu.
Issai shomon. Hyaku-shi-butsu. Sho-fu-no-ti

Nesse momento, o Buda levantou-se serenamente de sua meditação
e dirigiu-se a Sharihotsu, dizendo: "A sabedoria dos budas é
infinitamente profunda e imensurável. O portal dessa sabedoria
é difícil de compreender e de transpor. Nenhum dos homens de
erudição ou de absorção é capaz de compreendê-la.

Nenhum comentário:

Postar um comentário